Cinema

Bohemian Rhapsody: Crítica

A história e o legado de Freddie Mercury.

Freddie Mercury, Brian May, Roger Taylor e John Deacon formam a banda de rock Queen em 1970. Quando o estilo de vida agitado de Mercury começa a sair de controle, o grupo precisa encontrar uma forma de lidar com o sucesso e os excessos de seu líder.

Rami Malek é Freddie Mercury em Bohemian Rhapsody/20th Century Fox/Divulgação

Enfim está em cartaz a cinebiografia da banda Queen, intitulada “Bohemian Rhapsody”, e nome de um dos maiores sucessos da banda e xodó de Freddie, dita pelo guitarrista Brian May. Aqui temos um início onde o Queen vai se apresentar ao icônico show “Live Aid”, e daí, voltamos as origens onde Farrokh Bulsara, interpretado por Rami Malek vai a um bar e vê o show da banda “Smile”, uma banda britânica de rock localizada em Londres, surgida em 1968, e que durou apenas dezoito meses, posteriormente dando origem à banda Queen. Seus integrantes incluem Brian May Roger Taylor e Tim Staffell como vocalista e baixista. Mas com a saída do vocalista, Farrokh vê a oportunidade de mostrar seu talento no vocal.

Bom de acordo com andar da carruagem os acontecimentos vão indo rápido até o momento em que a banda agora conhecida como Queen e Farrokh Bulsara como Freddie Mercury, saem de Londres e vão fazer uma turnê nos EUA após bombar seus recentes sucessos nas rádios americanas.

A maioria dos sucessos da banda estão presentes no filme. Onde se encaixam muito bem na narrativa e deixando o espectador apaixonado pelo filme. Além de Rami no papel de Freddie que por sinal está muito bem no papel e consegue reproduzir bem a figura que Freddie foi enquanto esteve vivo. Não seria exagero dizer que gostaríamos que ele recebesse uma indicação no Oscar! Os outros atores que integram o elenco: Gwilym Lee (Brian May), Ben Hardy (Roger Taylor) e Joe Mazzello (John Deacon) cumprem bem seus papéis designados, mas não conseguimos ter uma certa empatia com eles, pois o roteiro não permite dar à eles uma profundidade além daquilo que foi designados para serem apenas membros de uma banda.

20th Century Fox/Divulgação

O amor da vida de Freddie Mercury, Mary Austin, interpretada pela Lucy Boynton, percebemos uma humanidade dada quando ela entra na vida do cantor, se preocupando com ele, a paixão demonstrada por ambos.

Bohemian Rhapsody é o filme que além de mostrar o início da banda até atingir o estrelato e coletando uma multidão de fãs, destaca o tamanho talento do Freddie nos palcos e também claro, suas festanças com direito a bebidas, drogas e sexo, coisas que Mercury gostava muito de fazer.

Entretanto Freddie Mercury foi um excepcional cantor, onde o filme procura bem destacar isso para a nova geração e dando uma nostalgia para os fãs que acompanham a banda desde seu início.

Leve, emocionante, engraçado – Bohemian Rhapsody remete bem nas telonas e você não vai se arrepender ao assistir algo que vai te prender do início ao fim fazendo você cantar os maiores hits da banda presente neste filme que está em exibição nos cinemas.

Fundador e redator do Geek of Nerd. 25 anos. Técnico em informática. Leitor de quadrinhos, fã de cinema, séries e do Cavaleiro das Trevas.